Widgets WordPress
Novos Widgets WordPress
22 de setembro de 2017
O que é um programa – Lógica de Programação
29 de setembro de 2017

O que é WordPress 

O WordPress é um CMS – Gerenciador de Conteúdo – de código aberto usado para a criação de projetos online, como blogs, sites, portais, redes sociais, e-commerce (comércios eletrônicos) e portfólios online. Por possuir uma plataforma de administração simples e eficiente, somando isto aos inúmeros recursos disponibilizados pela comunidade de desenvolvedores web que contribuem com o CMS, o WordPress se tornou o mais famoso e mais usado entre os seus semelhantes, alcançando um vasto número de usuários ao redor do mundo.

Segundo uma pesquisa fita pelo w3techs, 58,6% dos sites existentes hoje na internet utilizam um CMS – Gerenciador de Conteúdo. Deste percentual, 24,2% utilizam o WordPress como CMS, sendo o Joomla o segundo colocado, com 2,8%. O Blogger, famosa plataforma de blogs gratuita da Google, vem em 5º lugar com 1,1% dos sites que utilizam Gerenciadores de conteúdo.

Em parte desenvolvido pela comunidade, o WordPress tem entre estes os WP testers, um grupo de pessoas que testa os lançamentos voluntariamente.

O WordPress foi criado por Ryan Boren e Matthew Mullenweg, a partir do falecido b2/cafelog, sendo distribuído sob a GNU General Public License, o que o torna gratuito. Ele é escrito com a linguagem de programação PHP com banco de dados MySQL, facilitando para os que dominam a linguagem desenvolverem recursos novos a cada dia. Atualmente (hoje, dia 31/07/2015) o WordPress está na versão 4.2.3.

O desenvolvimento do WordPress é liderado por Ryan Boren e Matt Mullenweg. Mullenweg e Mike Little foram os co-fundadores do projeto. Abaixo você conhece os principais desenvolvedores do projeto:

  • Ryan Boren
  • Mark Jaquith
  • Matt Mullenweg
  • Andrew Nacin
  • Andrew Ozz
  • Peter Westwood

Apesar de ser desenvolvido em grande parte pela sua comunidade, o WordPress é associado com a Automattic, onde alguns dos principais desenvolvedores do WordPress são funcionários.

24,2% dos sites do mundo utilizam o WordPress como CMS

Em parte desenvolvido pela comunidade, o WordPress tem entre estes os WP testers, um grupo de pessoas que testa os lançamentos voluntariamente. Eles tem acesso aos nightly builds, versões Beta e Release Candidates. Atualizando a essas versões, eles podem encontrar e reportar erros em uma lista de emails especial, ou na ferramenta Trac do projeto.

Um recurso do WordPress que cativa os usuários que não conhecem programação web é a facilidade para alternar temas (ou templates) e modificar o visual do projeto, reordenando os widgets da maneira que melhor agradar ao usuário. Isso não exclui demais mudanças que podem ser feitas por desenvolvedores web através de códigos HTML, CSS, JavaScript e o próprio PHP, linguagem mãe do CMS.

O Wikipédia tem uma lista de recursos oferecidos pelo WordPress:

  • Gerar XML, XHTML, e CSS em conformidade com os padrões W3C
  • Gerenciamento integrado de ligações
  • Estrutura de permalink amigável aos mecanismos de busca
  • Suporte extensivo a plug-ins
  • Categorias aninhadas e múltiplas categorias para artigos
  • TrackBack e Pingback
  • Filtros tipográficos para formatação e estilização de texto corretas
  • Páginas estáticas
  • Múltiplos autores
  • Suporte a tags (desde a versão 2.3)
  • Pode gerenciar múltiplos blogs em subpastas ou subdomínios (desde a versão 3.0)
  • Importação e exportação de dados
  • API de desenvolvimento de plugins
  • Níveis, promoção e rebaixamento de usuários
  • Campos personalizados que permitem armazenar dados extras no banco de dados

Os desenvolvedores WordPress (WordPress Development) contam com uma documentação open source, disponível em português, que vem sendo traduzida do original (em inglês) e facilita o entendimento da codificação do CMS, seja para desenvolver temas / templates, plugins ou demais recursos e ferramentas.

A diferença entre o gratuito e o pago

Sei que listei o fato do WordPress ser um open source um diferencial, e realmente é. Porém, você precisa de um domínio e um serviço de hospedagem para ter o poderoso CMS instalado (ou pode instalar localmente, em seu micro… veremos isto em outro artigo). Existem algumas alternativas gratuitas, nem todas interessantes.

Os melhores serviços gratuitos que já testei são: hostinger.com.br para hospedagem e dot.tk para domínios. O serviço da hostinger é bem bacana, e a única exigência é você usar o site pelo menos uma vez por mês. No caso do dot.tk, você tem seu domínio gratuito por um ano, mas depois tem que investir da mesma maneira. O ponto positivo disso é que você tem 12 meses para testar seu sua ideia é ou não bacana. Confira também os artigos abaixo:

Para os que não podem ou não querem investir, existe uma alternativa, o WordPress.com. Ele possui vários recursos do WordPress, como um grande repositório de temas free e premiuns, facilidade de administração da plataforma e vários recursos pré-instalados, além de estar de acordo em conformidade com as normas estabelecidas pelo consórcio World Wide Web.

A parte ruim de utilizar o WordPress.com é a mesma relacionada a todos os serviços gratuitos da web: você não é o dono do seu projeto. Sim, você quem colocará o conteúdo, escolherá os temas, criará as páginas e os posts quando e como quiser. Porém, qualquer mudança feita pelos desenvolvedores do WordPress.com afetará diretamente seu negócio (seja um simples blog ou uma loja online), e não existirá muita coisa que você poderá fazer a respeito.

Porém, muitos blogueiros utilizam o WordPress.com e gostam bastante. Tudo é questão da plataforma responder ou não às suas necessidades. Mas se você pretende criar algo mais complexo do que um blog, sugiro realmente deixar o WordPress.org de lado e partir para o WordPress.

No próximo artigo falaremos da instalação do WordPress em seu micro e como instalar o WordPress em um servidor na web através do CPanel.

Pessoal, se gostaram do artigo por favor, comentem abaixo. Se não gostaram podem comentar também.

Abraços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *